Sejam bem-vindos ao LuanDaily.com.br, sua principal fonte de informações sobre o cantor Luan Santana



Todos os posts em música


Sem erros e tudo saiu como planejado! Lançado no dia 14 de abril, o segundo EP do álbum “Luan City” é mais um recorde na carreira de Luan Santana. A música “Erro Planejado” tem a participação especial da dupla Henrique e Juliano e foi a escolhida para promover o EP Rua Marizete Santana.

O single já é a maior estreia do cantor na plataforma de streaming Spotify, com marcas impressionantes, confira:

  • Único singles a debutar nos Top 50 Brasil
  • 15° posição, segundo Spotify Charts
  • 483.169 plays em 24h
  • Superou o debut de “Abalo Emocional”
  • Entrada mais alta no Top Songs Brasil

E tem videoclipe em alta, sim! No Youtube, “Erro Planejado” alcançou a marca de 1 milhão de visualizações em apenas 6h, no dia do lançamento, 15 de abril e alcançou o #1 dos vídeos em alta no dia. E esses números não param de crescer, atualmente já são mais de 10 milhões de players no vídeo, sendo o top 1 nas músicas em alta, segundo o Youtube Music Charts.

“Erro Planejado” está disponível em todas as plataformas digitais de música e o videoclipe no canal oficial do Youtube, clique para ver agora:

Após o sucesso de sua live no YouTube, o cantor Luan Santana aparece pela 25ª vez no ranking mundial do Billboard, dessa vez ocupando o 28º lugar, entre os 50 colocados. O sertanejo tá na frente de cantores internacionais como Justin Bieber, Rihanna, Selena Gomez e Taylor Swift.

A quantidade de seguidores, menções e engajamento das músicas em plataformas como Youtube, Facebook, Twitter, Instagram, Vine e Tumblr, quantificam a popularidade dos artistas entre a Parada Social 50. Outros cantores brasileiros também estão entre os colocados, são eles: Manu Gavassi, Gusttavo Lima e Anitta.

O show online durou em média 8 horas e teve 1,5 milhão de espectadores simultâneos. A ação do cantor foi em prol das famílias que estão passando necessidade durante essa pandemia da Covid-19, e obteve sucesso. Através da transmissão foram arrecadados R$147 mil, destinados a Central Única das Favelas (CUFA) e ao Fundo das Nações Unidas Para a Infância (UNICEF).

A live gravada em sua casa, contou com participação da família do Luan, a noiva Jade, a mãe Marizete e a irmã Bruna apareceram em momentos descontraídos durante a transmissão. No momento, a gravação ainda está no ar e possui até agora 16 milhões de reproduções. O repertório escolhido pelo cantor foi composto por mais de 50 músicas, entre as mais antigas e as mais atuais, contendo também músicas de outros artistas.

E o sucesso da transmissão foi além da plataforma do YouTube, transpassando para outras redes sociais como o Instagram e o Twitter.

A pandemia vem afetando a todos ao redor do mundo, e o Luan revelou que também teve seus planos adiados. “Eu estava com passagem comprada para Kentucky (Estados Unidos). A gente ia fazer uma publicidade lá nos Estados Unidos, numa fábrica de uísque… A gente ia aproveitar e fazer uma reunião na Flórida para já adiantar as coisas. Mas daí a viagem foi cancelada por causa da pandemia e até agora não marcamos de novo”, contou.

O cantor pretende expandir sua carreira internacional, para isso vem se preparando e investiu em aulas de espanhol para melhorar sua pronúncia. “Já tivemos boas conversas, pelo menos umas três idas pra Miami, pra fazer reunião e tal. E as pessoas demonstrando muito interesse. Eu vi a necessidade de me preparar. No inglês, eu sou um pouquinho mais avançado do que o meu espanhol, então eu quis pelo menos igualar o espanhol com o meu inglês, pra depois aprender as coisas de fato”, disse o artista, que já gravou com Enrique Iglesias, Belinda, Steve Aoki e CNCO.

Fonte: Popline

Luan Santana conta ao G1 em entrevista, como foi trocar os shows lotados por uma live no jardim de sua mansão em Alphaville, na Grande São Paulo, onde está com a família. O show no YouTube, no fim de abril, foi a segunda live dele. Antes, fez uma apresentação religiosa no Instagram, em março, com convidados.

G1 – Você sempre quis cantar para cada vez mais gente… Mas pela primeira vez na carreira, você tem que lidar com o que a gente vive agora, de fazer algo legal, mas sem aglomeração. Como você fez sua live pensando nisso?

Luan Santana – Esse foi o principal desafio, né cara? Apesar que esse momento é um momento muito íntimo que a gente vai entrar na casa das pessoas e que elas estão juntas, a família está junta e precisa se sentir abraçada pela nossa música. O importante é fazer isso e regado às doações, ao lance de ajudar as pessoas.

Falando de cenário e de estrutura, é o jardim da minha casa. O cenário é todo natural, ao invés de usar leds, equipamentos de iluminação e de projeção de efeito especial… eu usei só coisas naturais, com as flores e tal. E pra captação de vídeo não sei te dizer quantas pessoas tinha, mas foi o mínimo possível pra uma transmissão de imagem com qualidade de som e imagem.

G1 – Uma coisa que é comum nas lives é que as famílias ajudam. Aconteceu com o Dennis DJ, com Sandy & Junior… Como a sua família te ajudou?

Luan Santana – No meu caso, foi o meu roadie, né? Aquela pessoa que fica levando toalhinha, água, todas as coisas… Minhas roadies foram a Jade [noiva] e a Bruna, minha irmã. Na churrasqueira, fazendo um churrasquinho pra gente, estava o meu primo. A minha mãe também ficou fazendo umas outras coisas ali.

É muito importante a gente passar um bom exemplo, além de cuidar dos nossos, né cara? Eu acho que a gente passa por um momento bem delicado que a gente tem que pensar certinho, antes de fazer as coisas. Eu já estou com mil ideias na minha cabeça pra próxima.

G1 – Você teve chance de ver muitas lives, antes de fazer a sua. E você viu lives com aglomeração, viu várias ideias sendo postas em prática… Você viu bem o que cada artista estava fazendo para pensar no que poderia funcionar ou não?

Luan Santana – Eu acho que a live, esse gênero, esse modo live é uma oportunidade de a gente ser a gente mesmo. É algo que eu sempre pensei: “eu preciso ser eu mesmo”. Quem eu sou? O que é que eu vou falar? Qual vai ser o meu discurso? Que sentimento eu vou passar, vai ser de uma coisa engraçada, vai virar vários memes cômicos… O que eu quero transmitir?

Pensei em estar ali com minha família e no máximo dois músicos. Quero evitar aglomerações, me divertir acima de tudo. A gente separou um repertório de 52 músicas [risos] e vamos ver se a gente estende. E aí no meio da live, eu falei “Depois de cinco minutos, vou voltar”. Era como se fosse um clube secreto, ali, sabe?

Voltamos sentados, com a imagem paradinha ali, só fazendo um modão que é algo que faz parte da minha infância e da minha formação musical. Foi muito genuíno e sincero.

G1 – Sua primeira live foi uma live gospel no Instagram. Por que você decidiu fazer essa primeira live com músicas religiosas?

Luan Santana – Foi naquele primeiro momento, né cara? Em que a pandemia se espalhou e todo mundo começou a ficar em casa. Se não me engano, eu acho que eu fui o primeiro que fez live, no Instagram. E aí eu falei:

“O que as pessoas precisam agora, como a gente pode ajudar, qual a forma mais efetiva de chegar no coração das pessoas e acalmar todo mundo, né?”

Hoje em dia, não que esteja calmo, mas as pessoas já entenderam. Eu falei: “As pessoas precisam de calma. Eu quero chamar alguém que passe calma, paz pras pessoas que vão ver”. Eu sou um grande amigo do Padre Fábio, né? Foi o primeiro nome que eu liguei.

Logo depois, liguei pro Deive Leonardo e pro André Valadão [pastores]. E foi uma comoção essa live. Tanto pra mim, quanto pras pessoas que assistiram. Porque foi emocionante, eu acho que foi de muito bom tom assim e as pessoas tiraram muito proveito das coisas que a gente disse, das músicas que a gente cantou. Causou um efeito muito lindo.

G1 – Como é a sua ligação com música religiosa. Tinha costuma de ir a cultos, missas na infância e na adolescência? Qual sua ligação com música cristã?

Luan Santana – Minha ligação é total, cara. Antes de eu começar a fazer show, antes de ter uma carreira, eu tocava na igreja, eu aprendi a tocar violão pra tocar na igreja. Então, eu conheço muita coisa de música religiosa. Não é algo que é fora do meu mundo. “Eu estudei em colégio católico, né? E participava dos grupos e tocava nas missas direto, toda semana. É um ambiente que eu me sinto muito confortável. Que eu posso dizer com propriedade.”

G1 – O que você quer fazer na segunda live? O que acha que tem que repetir e quer fazer de mais diferente na segunda vez?

Luan Santana – O meu sonho era conseguir juntar os meus músicos, cara. Juntar, mesmo que separados. Eu falo de bateria e todo mundo que costuma fazer os shows comigo na estrada. Eu estou tentando achar um jeito.

Antes de te ligar, eu tive uma outra ideia que me veio na cabeça. Mas estou naquela fase de brainstorm ainda comigo mesmo. Pensando em algum jeito de ser diferente das outras lives e que se encaixe dentro do que a gente precisa hoje em dia que é de evitar aglomeração e tal.

G1 – Você tem visto muita live, até quem não via muito show na TV está vendo, então imagino você que já acompanhava tanto… Quais você gostou mais?

Luan Santana – Uma que eu adorei foi a da Ivete, da Sandy & Junior, eu também adorei. Eu estou vendo todas e tenho gostado muito. Porque ali eu vejo muito o artista sendo ele mesmo, sabe? Sem nenhuma carapuça, sem nenhuma armadura, não tem edição. É no “entre” das coisas que a gente conhece a pessoa.

Para finalizar, Luan disparou:

“Eu acho legal a live porque não tem máscara, né cara? Você faz a sua música, do seu jeito, não tem nenhum tipo de programa pra afinar sua voz, né? [risos] Quem é desafinado é desafinado mesmo. E vão bora. Isso é o mais legal de tudo. É o que as pessoas gostam de ver.”

O jovem cantor Luan Santana é sucesso dentro e também fora dos palcos. O sertanejo conseguir bater 100M de reproduções no Spotify com a música Quando a Bad Bater, composição exclusiva do próprio.
Além de ter passado um longo tempo dominando todas as plataformas com as outras músicas que também fazem parte do projeto Viva, o último lançado pelo cantor.
Reconhecimento pelo seu talento que fala né?

A parceria musical entre os cantores foi revelada na última semana, e ainda contém uma terceira participação, a banda Olodum.

O projeto do clipe começou a ser gravado nas escadarias da Igreja do Bonfim, em Salvador e as próximas cenas serão gravadas na Paraíba.

Em entrevista ao iBahia, o cantor Léo Santana lembrou que o Luan foi um dos cantores mais escutados nas rádios em 2019, e completou que o projeto vai agregar pra ambos,

“Fé em Deus, vai ser um sucesso”, disse.

Na ocasião, o baiano também falou um pouco sobre como recebeu a proposta,

“Ele me chamou pra gravar uma música que ele gravou no DVD dele, em Salvador. Eu fico sempre naquela: ‘pô, mas essa música já está rolando’. E ele: ‘mas eu não trabalhei, não fiz nada com ela ainda. Ela tá rolando porque tá no DVD e tá indo de forma natural’. Ele conseguiu me convencer e fez uma mistura boa com o Olodum. Deu bem a cara da Bahia. Eu fiquei até impressionado com a produção que eles prepararam. Ele tá bem empolgado com a canção e tá querendo fazer acontecer”, contou.

O clipe será lançado dia 24 e promete ser o sucesso do verão.

Facebook
Twitter